Instagram

header ads

Elas têm o poder: três divas do pop internacional que mostram toda a garra e resistência que só a mulher tem

Beyoncé, Madonna e Lady Gaga são as nossas meninas super poderosas da vez.


8 de março não é tão somente o dia de presentear com flores aquelas que carregam a humanidade em seu ventre. Há muito tempo já não se fala mais da mulher que é somente delicada, bela, recatada e do lar. Elas lutaram muito para ter o reconhecimento que possuem hoje e continuam na luta, pois por incrível que pareça, as mulheres ainda sofrem com a desigualdade, com a falta de respeito, com a violência e todos os outros absurdos causados pela sociedade machista.

Então, hoje é dia de luta, hoje é o dia que marca a resistência de uma nação de mulheres que travam batalhas diariamente para conquistar o seu lugar. E para marcar este 8 de março, nós do PopWave escolhemos três mulheres poderosas da música internacional para contar um pouco das lutas que elas enfrentam para defender aquilo que acreditam. Elas dão a cara à tapa, elas batem de frente e chocam a sociedade com tamanha ousadia para gritar que sim, elas merecem ser ouvidas, e sim, a voz delas vai fazer a diferença.

Vamos mostrar abaixo alguns momentos em que nossas divas enfrentaram a sociedade enquanto figuras públicas.

A cantora Beyoncé, que já lutou muito a favor dos direitos das mulheres, hoje trava batalhas para combater o racismo gritante que está escancarado principalmente nos EUA.


O trecho acima é de uma matéria do site Brasil247, escrita por Nêggo Tom em 14 de fevereiro de 2016. Ele está se referindo ao Super Bowl que teve como atração principal a banda Coldplay, no ano de 2016. No evento, a cantora Beyoncé foi convidada para se apresentar com a banda, assim como o cantor Bruno Mars também foi convidado. Os dois fizeram uma apresentação individual cada e após se juntaram ao Coldplay para cantarem juntos. No entanto, a apresentação solo de Beyoncé deu o que falar e gerou muita polêmica e indignação entre os conservadores (para não falar racistas) da América.



A matéria do portal Bonde traz as diversas críticas que Beyoncé recebeu após o lançamento da música e do clipe de "Formation" e também após sua apresentação no Super Bowl. Muitos conservadores e até mesmo os sindicatos policiais dos EUA ameaçaram boicotar a cantora e ela respondeu disponibilizando nas lojas oficiais de seus shows durante a "Formation World Tour" camisetas estampadas com o texto "Boycott Beyoncé" ("boicote Beyoncé").

Equipe de Beyoncé vestindo as camisetas estampadas com o "Boycott Beyoncé".

Para finalizar, Beyoncé também fez um discurso contra o racismo no evento esportivo "Sports Illustrated Sportsperson of the Year Awards" onde entregou o troféu Muhammad Ali Legacy Award para o jogador Colin Kaepernick, que em um dos jogos da NFL se recusou a se levantar durante o hino nacional como forma de protesto, o que acabou iniciando um movimento por igualdade racial e social no esporte. O discurso de Bey acabou gerando polêmica entre os conservadores. Veja:


Beyoncé entregando o prêmio para o jogador Colin. Foto: Slaven Vlasic.

Agora vamos falar da Rainha do Pop, a cantora
Madonna, que defende o feminismo e o direito das mulheres nos quatro cantos do planeta. Madonna, uma das precursoras da música pop e também a mulher que mais vendeu discos em todo o mundo, sempre ousou na hora de se posicionar em relação a algum assunto e isso só veio crescendo com o passar dos anos que, afinal, fez muito bem para a nossa rainha, pois ela segue cada vez mais linda, poderosa e forte. 

No Dia Internacional da Mulher de 2017, Madonna lançou um curta de 12 minutos que, segundo ela mesmo, é para "celebrar as mulheres que lutam pela liberdade". O vídeo começa com a seguinte frase dita pela cantora na Marcha das Mulheres que aconteceu em Washington em janeiro de 2017: 

"Para a nossa recusa como mulheres em aceitar esta nova era da tirania. Onde não apenas mulheres estão em perigo, mas todas as pessoas marginalizadas. Onde ser diferente pode ser considerado um crime. A revolução começa aqui".

Assista o vídeo aqui.


Madonna em sessão de fotos para a Vogue.

Em dezembro de 2016, Madonna foi eleita pela
Billboard a Mulher do Ano pela defesa do feminismo e do direito das mulheres. Janice Min, presidente do The Hollywood Reporter-Billboard Media Group, disse que Madonna "é 
uma importante feminista, acima de tudo, uma artista que usou sua influência para mudar o debate sobre mulheres, sexualidade e direitos igualitários".


Na cerimônia de premiação que aconteceu em 9 de dezembro de 2016, Madonna mostrou todo o seu poder no discurso que fez, onde criticou o machismo quando agradeceu por reconhecerem sua habilidade de dar continuidade à carreira por 34 anos diante do sexismo e da misoginia gritante, do bullying e do abuso constante. Madonna concluiu o discurso falando que as mulheres devem apreciar o seu próprio mérito e agradeu:


E por último, mas nunca menos importante, nossa amada Mother Monster, a cantora Lady Gaga. Defensora dos direitos da comunidade LGBTQI+, Gaga sempre bate de frente quando o assunto é defender a liberdade dos gays, vestindo a bandeira do arco-íris e fazendo sua voz ser ouvida.


Em 2013, através de sua conta no Twitter a cantora recriminou o governo da Rússia por homofobia após ativistas que participavam de uma Parada Gay serem hostilizados por policiais e religiosos que agiram com violência moral e física contra os homossexuais. 




"Enviando coragem aos LGBTs na Rússia. A ascensão do abuso no governo é arcaico. Hostilizar adolescentes com spray de pimenta? Agressões? Mãe Rússia?"
"O governo russo é criminoso. Opressão será respondida com revolução. LGBTs russos vocês não estão sozinhos. Nós vamos lutar pela liberdade de vocês."
"Por que você não me prendeu quando teve a chance, Rússia? Foi porquê você não quis responder ao mundo?"

Em 2015, Gaga recebeu o prêmio "ADL’s Making a Diference Award" pela iniciativa dela e de sua mãe, Cynthia Germanotta, no projeto filantrópico "Born This Way Foundation", que incentiva diariamente milhares de jovens vítimas do preconceito e intolerância a se aceitarem. No vídeo de agradecimento, além de encorajar os jovens a lutarem contra o preconceito, Lady Gaga disse:

"Minha mãe e eu fomos inspiradas a criar a Born This Way Foundation, após conhecermos muitos jovens em nossas viagens ao redor do mundo e pudemos perceber que muitas das dificuldades que aqueles jovens estavam passando, eram as mesmas que eu enfrentei enquanto crescia".

A BTWFoundation foi fundada em 2012 nos EUA e contou com o apoio de personalidades como Barack Obama e Oprah Winfrey. Vale a pena pesquisar mais sobre o projeto. 


Beyoncé, Madonna e Lady Gaga são apenas três exemplos de mulheres fortes e guerreiras que lutam pelos seus ideais. Há mulheres que batalham diariamente em todos os cantos, sejam elas conhecidas publicamente ou não. Cada vez mais mulheres estão se emponderando e mostrando a que vieram. A situação atual é de muito desrespeito, violência e descaso contra as mulheres não só do Brasil, mas de todo o mundo. Nosso desejo é que cada vez mais o 8 de março se torne um dia de luta e reconhecimento, para que num futuro próximo as verdadeiras donas da por*a toda tenham o reconhecimento e respeito que merecem.

"Who run the world? Girls!"

Postar um comentário

0 Comentários